domingo, 10 de maio de 2015

Confusa mente confusa

Sou uma pessoa confusa. Complexa. Bipolar até.
Faço as coisas e depois me arrependo. Me deixo tomar pela raiva. Pela emoção. Me cego com o que julgo ser minha verdade e me apoio nela. As vezes acerto, outras não.

E são nesses momentos, que percebo quantas coisas, oportunidades e pessoas maravilhosas já expulsei da minha vida, por pura teimosia.

Há meses atrás, escrevi um texto, um desabafo, que acabou se tornando um texto de agradecimento. E nesse agradecimento, eu destacava e homenageava um amigo que era mais que especial. Era um irmão. Era a pessoa que mais me conhecia, que muito sabia, ouvia, e aconselhava. Foi aquele que me fez ver que o Thi e eu iríamos virar um casal. Era aquele que me fazia rir num dia merda, e que não me deixava desistir. Foi quem me fez não ter medo de me jogar. Foi quem me encorajou num momento amargo. Foi quem me abriu os olhos e fez eu ver que estava apaixonada... Se não fosse esse amigo maravilhoso que eu tive, não Teria hoje o namorado incrivelmente perfeito que tenho.
Sempre serei grata a ele. Por tudo.

Mas a vida se resume a erros e acertos. Um dia esse amigo me machucou de tal forma, que eu senti uma dor absurda. Me senti traída. Magoada. Ele errou. Errou feio. Mas ele era humano, sobretudo. Passível de erro. Mais ainda, passível de perdão.

Mas eu errei com ele. Não perdoei. Não aceitei. Só queria que ele entendesse minhas mágoas e fizesse algo por elas. Mas não fui capaz de perdoar. Não naquele momento. O que eu fiz? Machuquei. Ofendi. Expulsei da minha vida. E o que ganhei com isso? Nada. Absolutamente nada.

Hoje convivo com a dor de não tê-lo por perto para dividir minha vida. Não tenho mais para quem contar aqueles segredos de melhores amigos. Pq fui burra. Mimada. Infantil. Teimosa. Egoísta.

Sinto tanta falta, que é quase como se faltasse parte de mim. Tantas conquistas e frustrações, e eu não tive para quem partilhar...

Dói saber que eu perdi a maior amizade da minha vida. Meu irmão que nunca tive. Dói saber que ele jamais lerá esse texto. Dói saber que ele não estará ao meu lado nos momentos mais importantes da minha vida, pq eu deixei a depressão tomar conta de mim, e em uma das minhas crises, eu ter estragado tudo.

Lamento tanto. Lamento saber que fiz meu melhor amigo me odiar. Lamento ter descoberto as crises nervosas decorrentes da depressão tarde demais. Lamento não ter dado uma chance a mais. E lamento mais ainda só ter aberto os olhos após ver uma amiga muito amada morrer e eu ali, impotente, sem nada poder fazer. Só ao ver a brevidade da vida que entendi o tamanho do erro que cometi.

João, se um dia você ler esse texto, saiba que eu sinto muita falta de você. Me arrependo de ter sido tão egoísta, e mais ainda, quero que saiba que você foi o melhor amigo que uma garota pode sonhar em ter. Te adoro. Jamais te esquecerei.

Sinto sua falta.